VERSO 31

yadā bhūta-pṛthag-bhāvam
eka-stham anupaśyati
tata eva ca vistāraṁ
brahma sampadyate tadā
Palavra por palavra: 
yadā — quando; bhūta — de entidades vivas; pṛthak-bhāvam — identidades separadas; eka-stham — situado em um; anupaśyati — a pessoa tenta ver através da autoridade; tataḥ eva — depois disso; ca — também; vistāram — a expansão; brahma — o Absoluto; sampadyate — ela alcança; tadā — nesse momento.
Tradução: 
Quando um homem sensato deixa de ver as diferentes identidades conseqüentes a diferentes corpos materiais, e vê como os seres se expandem por toda a parte, ele alcança a concepção Brahman.
Significado: 

SIGNIFICADO Quando alguém pode ver que os vários corpos das entidades vivas surgem devido aos diferentes desejos da alma individual e não pertencem de fato à alma em si, ele vê de verdade. Na concepção de vida material, achamos que alguém é um semideus, um ser humano, um cachorro, um gato, etc. Esta visão é material, mas não é a visão real. Esta diferenciação material deve-se a uma concepção de vida material. Após a destruição do corpo material, a alma espiritual é a mesma. A alma espiritual, devido ao contato com a natureza material, adquire diferentes tipos de corpos. Quando alguém pode ver isto, atinge a visão espiritual; libertando-se assim de diferenciações, tais como homem, animal, grande, baixo, etc., ele purifica sua consciência e, em sua identidade espiritual, capacita-se a desenvolver a consciência de Kṛṣṇa. O próximo verso explica qual a visão que ele então desenvolve.